Seus filhos crescem e os valores permanecem

Seus filhos crescem e os valores permanecem

Recursos didáticos exclusivos para estimular o desenvolvimento da inteligência e da sensibilidade das crianças, com ênfase especial à capacidade de pensar, são aplicados em Goiânia pelo Colégio Logosófico González Pecotche. O objetivo é proporciona-lhes condições para bem aprender as disciplinas curriculares de sua série e para bem se colocar, com sensatez e autossuficiência, frente às situações – favoráveis ou não – que a vida lhes apresenta.

Essa atuação docente produz resultados palpáveis: o aprimoramento do ser humano que existe em cada aluno, nos mais diversos aspectos que o configuram, preparando-o assim para a vida.

A proposta é ousada e exige esforços. Mas a própria Pedagogia tem seus meios para viabilizá-la: os professores são criteriosamente dotados de recursos didáticos para levar ao educando os elementos de que necessita para edificar a vida em bases sólidas, a partir de conceitos que o introduzem no conhecimento de si mesmo, das Leis Universais e de Deus, promovendo desta forma a integração de suas realidades física, psicológica e espiritual.

O aluno é conduzido para ser um elemento ativo de sua própria formação, via do desenvolvimento da capacidade de pensar, de sentir, de observar e outras que o levam a aprender com as mais diversas situações que vivencia na escola, em família e na sociedade.

Isso faz parte do dia a dia da escola. Um exemplo desse cotidiano é relatado pela professora Maria Beatriz Bueno Sauerbronn, diretora pedagógica do Colégio González Pecotche. Ela flagrou algumas crianças sentando-se nas mesas de pingue-pongue; aproximou-se e pediu que colocassem sobre a palma das mãos a bolinha e sentissem seu peso.

– Pesada?, perguntou.

– Não, muito leve, responderam.

– Quem é mais pesado, a bolinha de pingue-pongue ou vocês?

– Claro, somos nós.

– Para que foi feita esta mesa?

– Para jogar pingue-pongue, disseram.

– Será que esta mesa, então, suportaria o peso de crianças? O que poderia acontecer se em vez de bolinha as crianças começassem a fazer dela um assento?

Depois dessa vivência as crianças passaram a fazer o uso correto da mesa e também a corrigir outros coleguinhas.

No Colégio Logosófico há, também, o envolvente recurso da participação ativa dos pais e familiares, os quais são orientados e convidados a serem parceiros no trabalho de enriquecimento das mentes em formação, bem como no amparo contra tudo que, sendo comum aos tempos de hoje, fere os princípios de uma vida elevada e digna.

A Pedagogia Logosófica tem sua origem na Logosofia, ciência criada pelo educador e humanista Carlos Bernardo González Pecotche, que apresenta uma clara concepção do ser humano, do Universo e das Leis que regem toda a Criação. Um de seus resultantes(?) recursos é a valorização do exemplo. Portanto, o professor é preparado para realizar em si mesmo aquilo que ensina aos alunos.

Há uma condição importante para compartilhar com êxito o bem que recebemos, segundo Pecotche: ser exemplo do que ensina. Isso exige do docente capacitação e conhecimentos que lhe facultem ensinar e também traçar um caminho para aquele que se desviou e incorreu em erro. Se não dirigiu essa ação primeiro a si mesmo, que autoridade moral terá para corrigir o outro? (Esta última frase dá a impressão de estar desconectada)

Ser melhor do que o coleguinha?… Nada disso! A referência para as superações do aluno deve ser ele mesmo; e assim o discente é estimulado a se esforçar para ser, hoje e amanhã, melhor do que foi ontem.

E nos torneios e disputas esportivas?… Aprende que o importante é competir, independente de quem vença. Não raro os educadores também participam das disputas; e quando perdem (às vezes de propósito), abrem um sorriso e cumprimentam os que vencem. Afinal, na Pedagogia Logosófica ser exemplo do que ensina é lei.

Esse ambiente humano, estimulante e afetivo ameniza o esforço de ensinar e de aprender. Por isso o aluno gosta de ir à escola e de estar nela, conforme comprovou o representante da Rede Internacional de Escolas Criativas, professor João Henrique Suanno, ao justificar o título de Escola Criativa que esse organismo outorgou ao Colégio Logosófico González Pecotche.  Contou Suanno que, em suas pesquisas nessa escola, manteve o seguinte diálogo com um aluno:

– O que a escola não tem e que você gostaria que tivesse?

– Eu queria que a escola abrisse no domingo pra gente vir aqui domingo também.

A aplicação do método logosófico de ensino dentro e fora das salas de aula forma indivíduos mais livres, felizes, responsáveis, confiantes em si mesmos e com defesas mentais que os imunizam contra os males que afetam a humanidade. Portanto, vai além da formação curricular, pois propicia o cultivo de valores que permanecem por toda a vida.

Artigo anterior Quem aborreceu a adolescência?
Próximo artigo Família, base de um mundo melhor

Deixe um comentário

Comentários devem ser aprovados antes de aparecer

* Os campos obrigatórios